Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Eutanásia’ Category

Dou aqui uma lista dos livros e artigos que, a meu ver, são os melhores acerca de Lei Natural em Filosofia Política (dentro da tradição analítica).

Natural Law and Natural Rights, John Finnis

Natural Law and Justice, Lloyd Weinreb

Natural Law Theory: Contemporary Essays, Robert George

A Critique to the New Natural Law Theory, Russel Hittinger

How Persuasive is Natural Law Theory?, K. Greenwalt

Natural Law and Contemporary Moral Thought, Steven Smith

Natural Law: An Introduction and Re-examination, Kainz

Introduction to Jurisprudence (especialmente o terceiro capítulo), Freeman

The Blackwell guide to the philosophy of law and legal theory, Golding e Emunson

The Oxford Handbookd to Jurisprudence and philosophy of Law, Shapiro e Coleman

Anúncios

Read Full Post »

Legalização de porte de arma ,Capitalismo selvagem segundo Vital Moreira , A indignação é um pobre substituto da razão II , A indignação é um pobre substituto da razão III , O futuro do Bem no Mundo , Suicídio assistido , Eterno Retorno , O Lucro dos Vendedores e o Status Quo , Argumentos de saúde pública , Ideais Humanistas , A caminho das nacionalizações , Uma questão de fé , Algumas medidas para combater o desemprego , As propriedades mágicas do Estado , Bush é racista , Igualdade de oportunidades II , Igualdade de oportunidades III , Igualdades, liberdades e indignações , Handicap social (na íntegra) , O Século do progressismo , Crise de natalidade, familia e poder , Crise de natalidade, familia e poder II .

 

 

 

 

 

Read Full Post »

Eterno Retorno

Em geral quando os críticos da Eutanásia ficam indignados com a possibilidade de alguém fazer do suicído um negócio demonstram uma total ignorância e falta de oportunidade de ajudar os outros e beneficiar de um mercado livre.

1. Quando alguém quer morrer e recorre a alguém que preste esse serviço fá-lo de livre vontade.

2. Se alguém de livre vontade quiser morrer tal não é impeditivo de diálogo e de persuassão de modo a evitar o suicídio.

3. Se alguém se quiser suicidar fá-lo-à de qualquer maneira mas se essa pessoa poder optar por uma morte mais rápida e menos dolorosa porque é que irá arriscar-se a uma tentativa de suicídio que se pode tornar dolorosa?

4. Se alguém não tiver coragem de se suicidar e quiser morrer pode sempre pagar a uma agência que lhe proporcione o serviço de forma mais rápida e indolor possível pois menos uns trocos na carteira não lhe farão mal tendo em conta o fim a atingir.

5. Não há motivo para se ficar indignado com argumentos do género “não é digno da pessoa humana alguém lucrar com a morte de outra pessoa” pois se alguém quiser morrer fá-lo-à de qualquer maneira com maior risco de uma tentativa de suicídio que pode correr mal. Deste modo, a pessoa que se quer suicidar sempre ajuda outra pessoa que quer viver pois ao retribuir-lhe financeiramente contribui para que os que fiquem continuem a lutar por melhores condições de vida.

6. Acaba-se uma vida inútil e depressiva e fomenta-se uma vida produtiva e mais feliz. A vida perpetua-se, uns vão e outros virão. A morte de uns ajudará outros. É o eterno retorno. 

Read Full Post »

Recentemente em França um pedido de eutanásia foi rejeitado.

1. Toda e qualquer pessoa é detentora do seu corpo.

2. Toda e qualquer pessoa tem o direito natural de fazer o que quiser com o seu corpo, seja mutilá-lo ou prostitui-lo.

3. Toda e qualquer pessoa pode decidir pôr fim à vida do seu corpo dado que é sua propriedade.

4. Os motivos para que alguém decida pôr cobro à sua vida são irrelevantes para a questão desde que seja consentido pelo próprio.

5. A “dignidade da pessoa humana” não é um argumento contra a eutanásia, aliàs nem sequer é argumento algum tratando-se de um conceito vago.

6. Sendo uma pessoa dona do seu corpo o Estado não tem legitimidade coerciva ou moral para impedir alguém de se suicidar seja o caso de doentes em sofrimento ou toda e qualquer pessoa que queira pôr um fim à sua vida.

7. O suicídio assistido pode ser encarado como um negócio qualquer tal como a prostituição ou o jogo.

8. Se um fornecedor de serviços lucrar com o negócio dos suicídios está no seu direito, apenas ganha o que o mercado oferece aos seus serviços.

Read Full Post »