Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Maio, 2008

“Hoje é o dia da verdade para a campanha da senadora e antiga primeira-
-dama, Hillary Clinton: se o comité de regulamentos do Partido Democrata decidir validar os resultados das primárias do Michigan e da Florida, a candidata poderá manter-se na corrida pela nomeação para a Casa Branca e até reclamar ser a depositária do maior número de votos dos eleitores democratas” in Público

Read Full Post »

“Fala-se em crise, pobreza e desigualdade. Vital Moreira, Mário Soares e Manuela Ferreira Leite defendem mais redistribuição de riqueza. Mário Soares garante que a crise já está a afectar os pobres e a classe média. Os pobres e a classe média são os portugueses quase todos. Sobra um número reduzido de ricos. A crise, a pobreza e a desigualdade terão que ser resolvidas pela caça ao rico. Mas, em Portugal, o rico é um animal raro e fugidio. Por boas razões. A criação de riqueza é desprestigiante e perigosa. Ser rico não compensa o trabalho que dá enriquecer. A maior parte dos portugueses não quer pagar a riqueza distribuída pelo Estado. Quer recebê-la.

Vital Moreira garante que Portugal é um Estado Social com excelentes mecanismos de protecção dos mais desfavorecidos. Tem razão. Pelo menos do lado da despesa isso é verdade. O Estado gasta, sob os mais variados pretextos sociais, quase 50% da riqueza produzida pelos portugueses. Mário Soares diz que não chega. O subsídio de desemprego não chega, o rendimento mínimo não chega, as pensões e complementos de reforma não chegam. Os sistemas de saúde e de educação gratuitos e igualitários não chegam. Os pobres e a classe média precisam de mais. A crise é cada vez pior e quase ninguém lhe escapa. Manuela Ferreira Leite até conseguiu descobrir aquilo a que chamou os “novos pobres”, pessoas que se passaram recentemente do lado dos contribuintes para o lado dos potenciais beneficiários do Estado Social.

Todos concordam que o Estado Social é insuficiente. Os “novos pobres” precisam de novos mecanismos de combate à pobreza porque os que custam todos os anos metade do PIB não chegam. Precisamos, portanto, de mais Estado Social. Precisamos, sobretudo, de quem o pague. Gente para receber já cá temos de sobra. Precisamos de obrigar os raros portugueses que são produtivos e empreendedores a pagar mais impostos para sustentar um Estado Social mais avançado. Temos que o fazer rapidamente, antes que eles emigrem.”

fonte: http://www.dn.sapo.pt/2008/05/31/opiniao/estado_social.html .

Read Full Post »

Read Full Post »

“Sobem os preços do pão e do dinheiro, moderam-se as previsões de crescimento, e a superstição da tribo manda uma ideia morrer por isso: há-de ser, segundo querem alguns, o “liberalismo”. Mas estarão os nossos problemas resolvidos, se houver menos gente a ler Hayek? Em Portugal, por exemplo, com um Estado que gasta o equivalente de metade da riqueza nacional, que impôs uma carga fiscal inédita para o nosso nível de desenvolvimento, que conserva um sistema de protecção do emprego dos mais rígidos do mundo, que controla as empresas de mil maneiras – será justo debitar ao tal “liberalismo” a culpa de não crescermos e haver desigualdade? E terá a solução de consistir em mais Estado e em mais controlo da vida de cada um pelo Estado?
Ah, como os compreendo, a estes desesperados penduras ideológicos da corrente “crise”. A sua táctica é velha: em vez de argumentarem, andam à procura de pretextos para declararem a morte dos adversários, poupando-se a todos os debates. É muito mais cómodo. Os chamados “liberais”, aliás, fizeram o mesmo há uma geração atrás. Lembram-se de 1989? Era o fim do socialismo, da história – e da necessidade de examinar e refutar o que os socialistas diziam. E agora não conseguem perceber Chávez e os outros chavistas latino-americanos. Do outro lado da barricada, uma parte da esquerda começou a tratar o subprime como o Muro de Berlim do capitalismo. Não se entusiasmem, porque já não é a primeira vez que se enganam. Há cerca de 30 anos, o primeiro choque petrolífero também foi acolhido triunfalmente como “a crise final do capitalismo”, “pior do que 1929”. O Vietname, como o Iraque agora, e Nixon, como Bush, ajudaram à festa. Portugal passou então ao “socialismo”. Era o vento da história. E que veio a seguir? Thatcher e Reagan. Há quem ainda não tenha percebido que a história não acaba quando nos convém.
Mas desde então não tem sido a nossa história uma terrível marcha “liberal”? É verdade que há bancos e televisões privadas. Para além disso, porém, o que vimos nos últimos 30 anos foi a transferência crescente de recursos dos indivíduos e famílias para o Estado. Em Portugal, segundo cálculos do dr. Medina Carreira, a carga fiscal em percentagem do PIB duplicou: de 18,7% em 1965 para 36,9% em 2007. Chamam a isto “liberalismo”? E, já agora, também não lhe chamem “justiça social”. Portugal, segundo o mesmo autor, foi o país da Europa em que mais aumentaram as despesas com protecção social em percentagem do PIB entre 1991 e 2002 (de 17% para 28%) – e aquele onde a desigualdade é maior e a pobreza não diminui.
Há aqui um grande equívoco. Na Europa do pós-guerra, o Estado social cresceu com a economia. Quando esta abrandou, por volta de 1973, passou a progredir através do fisco (na União Europeia a 15, os impostos em percentagem do PIB subiram, em média, de 33% em 1975 para 42% em 2000). E tem-se dado o nome de “liberalismo” à necessidade que os próprios defensores do Estado social sentiram de limitar esta progressão e de tentar relançar a economia, aumentando um pouco a margem de manobra dos empreendedores no mercado global. Mas o “liberalismo” não é a gestão do Estado social: é outro modelo social.
A esquerda “antiliberal” tenta fugir à discussão oferecendo-se, em sonhos, a cabeça do “liberalismo”. Do outro lado, também não há mais frontalidade. A direita dita “liberal” prefere fingir que os seus projectos são uma simples questão de “bom senso”, quando não os disfarça, como em Portugal, com os títulos do adversário (“social-democracia”). Há, neste momento, dois obstáculos a qualquer debate político interessante. Em primeiro lugar, a relutância de todos em assumirem o reverso do que propõem. O Estado social implica o controlo da vida de cada um pela burocracia – embora possa haver leis a garantir os indivíduos. O modelo cívico liberal pressupõe que cada um assuma as responsabilidades e enfrente as consequências das suas opções – embora possa haver instituições para impedir sofrimentos. Em segundo lugar, confunde-se o que se está a propor. O Estado social e o liberalismo não são receitas técnicas para diminuir a desigualdade ou para aumentar a riqueza. Não existem essas receitas – se existissem, não haveria debate, porque todos escolheríamos imediatamente o que nos garantisse maior conforto e maior igualdade. O liberalismo e o Estado social são maneiras de viver diferentes. E, em vez de andarmos a diagnosticar “crises” uns aos outros, talvez fosse melhor tentarmos esclarecer o que podemos e gostaríamos de fazer com as nossas vidas.”

Read Full Post »

Voltei a ter resultados “excessivos” no teste Quiz Político:

“De acordo com suas respostas, o perfil político no qual você se enquadra é… liberal.

Os liberais/libertários entendem que as pessoas são iguais em direitos e que o governo toma muitas decisões que deveriam ser tomadas pelos próprios indivíduos. Diferentes dos conservadores de direita, os liberais acreditam que a moral não deve ser imposta pelo governo, mas que as pessoas devem ser livres para buscar a verdade e a felicidade, pois uma ação só pode ser verdadeiramente virtuosa se decorrer da livre escolha. E, ao contrário da esquerda, os liberais entendem que, numa economia livre do protecionismo estatal, o lucro de uma pessoa corresponde à satisfação da necessidade de outra, gerando prosperidade para toda a sociedade.”

pode fazer o teste aqui: http://www.ordemlivre.org/node/153 .

Read Full Post »

O meu perfil político:

“Overall: 80% Conservative, 20% Liberal

Social Issues: 75% Conservative, 25% Liberal

Personal Responsibility: 50% Conservative, 50% Liberal

Fiscal Issues: 100% Conservative, 0% Liberal

Ethics: 75% Conservative, 25% Liberal

Defense and Crime: 100% Conservative, 0% Liberal ”

(Nota: “liberal” é encarado neste teste na acepção americana, ou seja, de esquerda ou democrata e “conservador” de direita, i.e., republicano).

Pode fazer o seu teste aqui: http://www.blogthings.com/howliberalorconservativeareyouquiz/ .

Read Full Post »

“Há um factor histórico pouco conhecido que alimenta talvez todos os géneros de ocultismos ou tradições sapienciais, algo secretistas ou conspiratórias: numerologia, astrologia, criacionismo, ovnilogia, New Age, homeopatia, etc. Há evidentemente factores psicológicos que fazem estas patranhas ficar implantadas no cérebro de pessoas adultas, mas estes são mais amplamente divulgados: as pessoas tendem a aceitar ideias agradáveis ou confortáveis, por serem agradáveis ou confortáveis, e não se dão ao incómodo de tentar saber se são verdadeiras. Além de isso dar trabalho, ameaça pôr a nu uma fantasia saborosa e lá se vai uma parte do apoio psicológico que estas pessoas recebem de tais fantasias. Daí que seja sempre mais judicioso cravar firmemente na realidade as estacas dos nossos apoios psicológicos do que na esperança de que a realidade acabe por ser exactamente como daria imenso jeito que fosse.
O factor histórico, contudo, é menos conhecido e relaciona-se de perto com dois aspectos cruciais: o controlo do pensamento por parte de instituições políticas e religiosas, e o retrocesso civilizacional que a Europa atravessou durante mais de mil anos, depois da queda do Império Romano. James Gleick, na sua excelente pequena biografia de Isaac Newton (1642-1727), fala-nos das práticas ocultistas e alquímicas deste grande físico e matemático. Newton estava convencido de duas coisas: que os antigos já sabiam tudo (assim, as suas próprias descobertas eram apenas redescobertas); e que esse conhecimento primevo tinha sido ou perdido ou escondido pelas autoridades.
No contexto histórico em que Newton se encontrava estas crenças não eram muito destrambelhadas. Os conhecimentos científicos, filosóficos e artísticos gregos e romanos eram superiores aos da Europa dos séculos IV, V, VI e por aí em diante praticamente até aos séculos XVII e XVIII. Além disso, mesmo nesta altura, o conhecimento era cuidadosamente vigiado pelas igrejas cristãs e pelos estados europeus. Os manuscritos que sobreviviam nas bibliotecas mais antigas eram as mais das vezes exemplares únicos, por vezes nem sequer catalogados e não eram lidos há séculos. A probabilidade de uma pessoa se perder numa biblioteca dessas e descobrir um manuscrito com descobertas físicas ou astronómicas fundamentais não era negligenciável. E era ainda mais provável que, caso tal conhecimento não caísse no goto dos padres e dos políticos, essa pessoa fosse morta ou silenciada de outro modo.
Em tal contexto, o ocultismo não era disparatado. Hoje, contudo, não passa de desassiso. Apesar de o controlo político e religioso da investigação e do ensino ser infelizmente cada vez mais forte e assustador, há ainda muitas ilhas de liberdade intelectual. Ironicamente, estas ilhas não se encontram entre os praticantes do ocultismo, que não admitem a discussão crítica das suas crenças mais queridas. Tivessem estas pessoas perante o ocultismo um terço da saudável atitude crítica que têm perante a racionalidade e a ciência, e o mundo seria menos tolo do que infelizmente é.”

27.05.2008, Desidério Murcho, filósofo

Read Full Post »

Older Posts »